terça-feira, 2 de junho de 2009

Comunicação Formal x Comunicação Informal

Hoje irei falar dos diferentes tipos de comunicação que há dentro de uma organização.

Há aquela comunicação vertical, que pode ser de cima para baixo, ou de baixo para cima. No primeiro caso, ela acontece do topo mais alto da hierarquia organizacional para o nível mais baixo. No segundo caso, é o mesmo processo, porém invertido.

Já a comunicação horizontal, é mais flexível, sem muita hierarquia a ser respeitada. Claro que há uma organização no processo comunicacional, mas não aparecem tantas dificuldades. Normalmente, essa comunicação se dá entre departamentos que trabalham lado a lado.
Agora, falando de comunicação formal e informal, elas se encaixam melhor, respectivamente, na vertical e na horizontal.

A comunicação formal é aquela documentada pela própria empresa. São anúncios, informações, tomadas de decisão, etc. que passam por várias pessoas na hierarquia, para serem aprovados.

Por outro lado, a comunicação informal não necessita de aprovação prévia. É aquela que surge dos próprios funcionários, onde eles colocam a visão deles sobre o que está acontecendo na organização, como esta lida com seus trabalhadores, entre outras coisas. Esta comunicação acontece de maneiras conhecidas, como os famosos boatos e a rádio peão.

E como essas duas se intercalam? Será que uma anula a outra? Ou será que ajuda?

Se os profissionais souberem lidar com essas diferentes maneiras de se comunicar, uma pode ajudar a outra sim! A comunicação informal não está presente para prejudicar a empresa. Lógico que ela tem esse poder, porém cabe aos profissionais responsáveis de comunicação saberem usá-la a favor da empresa.




Neste exemplo, há um boato que surgiu de uma frase dita pelo chefe, e que foi distorcida durante um processo comunicativo. Nessa situação, ao invés da organização punir quem mudou tal informação, ela deve criar um plano de comunicação para que tudo seja esclarecido e que isso não volte a acontecer. Fazendo isso de forma ética e transparente, a empresa irá passar maior segurança aos seus funcionários, que no caso acima, iriam ficar cientes de que uma demissão não iria vir sem prévio aviso.

Em outras palavras, a organização deve saber usar a seu favor, informações e situação que sejam contra ela. As que são mentira são mais fáceis de serem esclarecidas. As que realmente são verídicas, mas ás vezes distorcidas, a organização deve mostrar a real situação.

Não adianta querer acabar com essa comunicação informal dentro da empresa. Ela sempre irá existir! Mesmo que tente acabar com ela, de alguma forma ela acontecerá, pois não se pode obrigar as pessoas a se calarem, de serem alienadas como eram no passado. Hoje em dias as pessoas são receptores ativos, que tem e omitem suas opiniões! E se houver a anulação desse direito, com toda certeza a empresa não sobreviverá.






Se a organização souber lidar com esses meios de comunicação, poderá usá-los a seu favor, a favor de sua imagem, esclarecendo qualquer mal entendido que tenha acontecido dentro dela.


Inclusive, há empresas que já criaram uma rádio oficial, que seria a própria rádio peão. Nele, os funcionários podem falar suas necessidades, criticar, elogiar, perguntar suas dúvidas para os executivos, etc.

Então, é possível perceber que as comunicações formais e informais existem isoladamente, porém são complementares e podem se intercalar. Sabendo usá-las de forma inteligente e estratégica, a comunicação organizacional será muito mais aberta para os funcionários, e dará bons resultados no processo comunicacional.


Por Heloísa Battistin Rezende


Fontes:
Informações dadas em aula pela Professora Cláudia Rebechi, 2009
Informações dadas em aula pelo Professor Douglas Filenga, 2009


Imagens:
http://4.bp.blogspot.com/_Wc5alABRDj8/SOVLp0kBcTI/AAAAAAAAAQA/Ff3CBE-iGHY/s400/calvin_radio+peao.JPG
http://www.ppq.com.br/logfotos/boato.JPG

0 comentários:

Postar um comentário